Para poder viver - Yeonmi Park



Faz alguns meses que eu comecei a me interessar bastante pela cultura coreana. Ao contrário da maioria das pessoas, o que me chamou a atenção não foi o K-Pop, mas sim a história, a superação desse país, principalmente após a guerra. Além, claro, do alfabeto (hangul) que é lindo. Buscando mais informação a respeito encontrei alguns canais no Youtube de meninas que moravam na Coreia do Sul. Primeiro achei a Angélica, a Midori, a Sernaiotto e depois a Mandy

É estranho imaginar que antes era apenas um país e que agora se trata de dois povos com a mesma cultura, mesmos costumes, mesmo idioma e tudo mais, mas na verdade são totalmente diferentes em relação a desenvolvimento, economia e política (entre outros). Nas minhas pesquisas eu encontrei também o livro Para Poder Viver da norte coreana Yeonmi Park

Nessa autobiografia a autora conta sua trajetória de vida e de fuga da ditadura norte coreana para a coreia do sul. 

A obra se divide em três partes: Coreia do Norte, China e Coreia do Sul. 
Na primeira parte ela fala sobre sua infância na Coreia, sobre as dificuldades que ela e sua família passaram, coisas que me fizeram arrepiar por nunca ter sequer imaginado. Fala também sobre como o ditador controla a mente das pessoas. É algo tão absurdo que as pessoas acreditam que o líder ditador pode controlar o sol, ler mentes e quando ele faleceu as pessoas não conseguiam acreditar direito nos fatos, já que achavam que ele fosse imortal. 

Na China ela viveu experiências extremamente difíceis, principalmente para uma criança. Viu a mãe ser violentada e estuprada, presenciou tráfico de seres humanos, inclusive de sua família no mercado ilegal chinês. Durante essa parte da leitura eu precisava parar pra me concentrar em outras coisas devido a história ser tão chocante e triste. É até difícil entender e digerir que esse livro aborda fatos reais. 

Finalmente, quando ela chegou na Coreia do Sul, orientada pela luz das estrelas, literalmente, eu pensei que ela sentiria o gosto da liberdade e que sua vida realmente seria mais leve, mais fácil, mas ela se depara com dificuldades que não estava esperando. Ela estava muito atrasada em tudo, na escola, na utilização de equipamentos eletrônicos, na educação e maturidade em si. Por isso, precisou se esforçar ainda mais para se equiparar aos jovens sul coreanos da sua idade.

Foi um dos livros mais profundos que já li na vida. Algumas vezes me fizeram chorar, outras eu fiquei enfurecida, tamanha crueldade exercida pelo ditador atual, e algumas vezes fiquei me sentindo impotente por não saber o que fazer para ajudar aquele país, aquelas pessoas. É uma leitura complicada, porém, muito importante, até mesmo para quem não se interessa pela Coreia. Este livro me ensinou muito, me fez exercer ainda mais a empatia para com as outras pessoas e me fez ser grata pela vida que tenho, pelas condições em que eu nasci e até mesmo pelo Brasil, com todos os seus problemas. 

Recomendo muito e se você já leu este livro, me conta se gostou, certo?

0 comentários:

Deixe seu comentário