Transtorno de ansiedade generalizada. Como aconteceu comigo?



Como falei neste post AQUI, fui diagnosticada com Transtorno de Ansiedade Generalizada. Esse termo bem grandão pode confundir a gente em alguns aspectos, então vou contar de forma bem simples qual é a diferença entre a TAG e a ansiedade normal que todo mundo tem em algum momento da vida. 

Diferença entre ansiedade "comum" e transtorno de ansiedade generalizada.


A ansiedade normal é "rápida", ou seja, ela vem e fica por um tempinho e logo passa. Acontece geralmente quando vamos passar por algo significativo da nossa vida. Ela pode ser amenizada com técnicas respiratórias, relaxamentos, e uma série de outras maneiras. Então, necessita de um "gatilho", ou seja, um motivo para que ela aconteça. 

O transtorno de ansiedade generalizado, por sua vez, não necessita de um "gatilho". A ansiedade vem sem motivo aparente. E diferente da ansiedade comum, ela fica por bastante tempo. Tanto que para ser diagnosticado como TAG a pessoa deve se queixar por mais de seis meses! Além disso, na maioria das vezes, a pessoa não consegue amenizar os sintomas. Eu tentei várias coisas e nenhuma delas funcionou. 

Como descobri que tenho transtorno de ansiedade generalizada


Por mais de dois anos eu fiz psicoterapia. As sessões me ajudaram em vários aspectos da minha vida. Mas, não me ajudou tanto assim na questão de ansiedade. Eu já sabia que era uma pessoa ansiosa há vários anos e pensava que era normal. Nas sessões eu ficava buscando um gatilho para que a minha ansiedade ficasse mais insuportável e nunca encontrava. 


Eu me sentia muito frustrada por não encontrar este motivo, esse gatilho. Ficava sempre me questionando sobre a minha vida em geral. Então tive algumas pequenas crises existenciais durante todo o processo. Não eram crises físicas, mas sim questionamentos sobre pra onde estou indo, se deveria mesmo ter feito as escolhas que fiz, etc. Resumidamente, eu não conseguia parar de pensar. 

Até que certo dia assisti a um vídeo de um professor de uma universidade em que era explicado a diferença entre a ansiedade normal e a TAG. Vi, neste momento, que tinha a maioria dos sintomas para este diagnóstico.

Os sintomas principais que eu tive foram: 


  1. Tensão muscular;
  2. Falta de ar;
  3. Preocupação excessiva e ininterrupta em relação a quase tudo;
  4. Não conseguir permanecer no momento presente;
  5. Medo do que acontecerá no futuro.


Como está sendo meu tratamento:


Depois de ter feito o diagnóstico correto eu entendi que a minha ansiedade era algo físico, ou seja, o que me fazia ter ansiedade era a serotonina no cérebro que não estava "trabalhando" da forma que deveria. Não sou médica para saber corretamente os termos, mas eu consegui entender que em certos casos a pessoa não consegue resolver sozinha e precisa de medicação para controlar este quadro. 

Por isso estou tomando fluoxetina e também continuo na psicoterapia. Além disso, fiz algumas mudanças na minha alimentação. E iniciei aulas de pilates, que estão me fazendo bem até em áreas que eu não imaginava (a coriza cronica, por exemplo). Essas três coisas juntas estão me ajudando muito. 


Depois de tudo que passei comecei a aprender que eu não preciso dar conta de tudo sozinha. Preciso ouvir meu corpo e saber quando é hora de parar, respirar e recarregar minhas energias. Algumas coisas que ficam para depois não vão fazer de mim uma pessoa pior, e sim uma pessoa mais saudável. Estou aprendendo que falhar as vezes é melhor do que dar o sangue para chegar ema algum lugar em que não terei nenhum tipo de recompensa, reconhecimento ou valorização pelo esforço que dediquei. 

Ainda tem dias que são piores, dias que acordo com muito cansaço físico e mental mesmo depois de ter dormido a noite toda. Dias que minha energia é a mesma de uma senhora de 80 anos. Dias que nada parece bom o suficiente. Ainda bem que eles duram apenas 24 horas e logo terei a chance de recomeçar. 

0 comentários:

Deixe seu comentário