Sobre acreditar em si mesmo

fonte: via

Oi, pessoal!! No post de hoje vou compartilhar vocês um pouco da experiência que eu tive / estou tendo: estou fazendo terapia há quase um ano. Parece ser meio dramático isso, mas vou compartilhar algumas coisas com vocês que vão surpreender, tenho certeza.

Na nossa vida acontecem tantas coisas, tantos desafios chegam, tantos obstáculos vêm até nós fazendo cada parte de esperança, amor próprio e motivação que existe no nosso corpo ir sumindo devagarzinho. Aos poucos vai acontecendo sem a gente perceber, e quando nos damos conta, já existe um buraco bem grandão no nosso coração. Isso não, necessariamente, é um quadro depressivo. No meu caso por exemplo, é mais sobre não acreditar em mim mesma.

Eu sentia uma angústia muito grande dentro de mim, um complexo de que quase ninguém gostava de mim, nem reparava em mim, ou até mesmo não se lembrava ou se importava comigo (exceto meu marido). As vezes eu falava com ele, desabafava, ele me aconselhava, me ajudava, mas era complicado pra ele reverter essa situação por que por mais que ele me elogiasse, me levasse pra cima ou me amasse muito, eu achava que tudo que ele apontava de bom em mim não era verdade, ele só via tudo por ser meu marido e me amar.

Então, uma amiga minha me viu num dia bem pra baixo e me perguntou o que estava acontecendo. Eu resumi e ela me indicou uma pessoa muito especial da qual me diagnosticou já na primeira consulta como uma pessoa insegura, tímida e com baixa auto-estima. Foram já nas primeiras consultas que eu chorei como um bebê por revelar coisas tão íntimas, tão dolorosas e tristes pra mim.

Eu realmente não acreditava em mim, nos meus potenciais, em nada.

Por causa dessa paranoia eu comecei a ficar extremamente perfeccionista e exigente comigo mesma. Por mais que eu trabalhasse fora, cuidasse da casa, do blog, estudava, tinha vida social e a dois, eu me odiava quando alguém me visitava, por exemplo, e minha casa não estava 100% organizada, ou eu não estivesse bem. Eu me culpava o tempo todo. Pensava que todas as comidas que eu preparava não eram boas o suficiente e muito mais coisas desse tipo.

Era triste isso por que 99% de tudo que eu ficava pensando só existia na minha cabeça. Porém, eu achava que todo mundo estava reparando, criticando, avaliando, e apontando o dedo. Sendo que não era nada disso. Tudo isso só estava na minha cabeça. Na minha imaginação. Hoje eu consigo entender. E é complicado explicar direitinho no post. Eu posso fazer em vídeo futuramente, quem sabe?

Mas, onde eu quero chegar é que, na terapia, estou tendo uma consciência diferente de mim, do meu corpo, na minha personalidade, da minha existência. Eu só consigo pensar: Por que não comecei antes, como fui demorar tanto pra buscar ajuda? Hoje eu estou me conhecendo muito mais. Parei de deixar a minha vida guardada numa gaveta e pensar somente na correria do dia a dia. Estou me cuidando mais, me olhando mais, me fazendo mais feliz do que antes eu conseguia.

O mundo tem pessoas demais, e eu só tenho a mim pra acreditar integralmente em mim mesma, então por que vou me importar com todas as pessoas do mundo? Tenho que olhar pra mim, me amar, acreditar em mim, na minha capacidade, na minha importância pra mim mesma, sonhar e acreditar que é possível realizar. 

0 comentários:

Deixe seu comentário