Filme: O fabuloso destino de Amélie Poulain + nostalgia



Esse fim de semana o noivo e eu assistimos a 3 filmes. "O despertar", meio terror, meio suspense. "De pernas pro ar II", comédia com Ingrid Guimarães (achei perfeito!). E por último, "O fabuloso destino de Amélie Poulain", cuja classificação eu não sei dizer. Todos eles eu gostei, mas vou falar sobre o último por causa da nostalgia que me deu em vários momentos do filme. 




O filme conta a história de Amélie, filha única que nunca foi a escola por causa de uma doença no coração que na verdade nunca existiu. O seu pai, ex militar e médico a examinava uma vez por mês, e como este era o contato mais próximo que tinha com ele, a menina se emocionava até seu coração ficar bastante acelerado, causando então a falsa doença cardíaca. 



O filme mostra o tempo todo o gosto dos personagens por coisas simples. Coisas que não prestamos atenção. Por exemplo: sua mãe que gostava de tirar tudo da bolsa, limpar e organizar tudo de novo. Seu pai fazia o mesmo com suas ferramentas. E Amélie, cujo único amigo era um peixe suicida, amava afundar as mãos em recipientes cheios de sementes ou grãos. 

O destino a fez órfã de mãe aos 6 anos de idade. Uma turista caiu sobre sua mãe de cima de uma das torres da Catedral de Notre Dame. E é aí que começa meus momentos de nostalgia. Fiquei lembrando da minha madrinha que pagou 5 Euros, não para fazer um pedido e acender uma vela dentro da Igreja, e sim para levar a vela consigo e acendê-la onde quisesse (na sua própria casa em São Paulo). Só há um detalhe: A vela não estava a venda.



Amélie visita também a Catedral de Sacre Coeur para entregar o livro de fotografias do homem que ela ama. E eu me lembrei de quando subi toda a escadaria para chegar ao topo. Quase morri. Havia tipo um teleférico que levava as pessoas até la em cima, mas eu quis mostrar que eu tava "em forma" e me ferrei. Rsrsrs. 

Além desses lugares, Amélie também visita um sexshopp, que acredito estar localizado na rua do Moulin Rouge. Eu também passei por lá e entrei em algumas lojas, mas fiz isso a tarde. Acredito que deve ser lindo a noite. Também foi citado durante o filme o Mont Blanc, E ela também passeia pelas margens do Sena


Amélie sai de casa quando alcança a maioridade. Se dedica a resolver problemas dos outros e se esquece dos seus. Ela está sempre se perdendo em suas teorias e imaginação. E vê o mundo de um ângulo diferente. De um jeito puro e ingênuo. 
De vez em quando até olhava pra dentro de si mesma e fazia planos mirabolantes para se arranjar. Algumas vezes funcionava, outras vezes não. Achei que é um filme fofo que passa uma mensagem super positiva e que nos mostra o real sentido de viver: O AMOR!



Fiquei com muita vontade de voltar la um dia. E vou voltar, tenho certeza, mas vai ser o o marido =)

Se você tem vontade de ir a París, eu sugiro assistir alguns filmes ou vídeos que mostram a cidade luz. E se já tem planos para ir, tome os cuidados básicos de viagem. Eu amei retornar à França junto com Amélie.

E não percam!!! Está rolando aqui no Além de Mim sorteio 
do livro A CULPA É DAS ESTRELAS do John Green
Saiba mais AQUI.

0 comentários:

Deixe seu comentário