no meu quarto ou no mundo inteiro?


Por um momento parei pra pensar onde estou e, sinceramente, não soube responder. Se você me pedir o endereço, eu sei de cór (e talvez é impossível encontra-lo no Google Earth), mas a realidade é que posso, neste instante, estar em qualquer lugar do mundo com apenas um clique. Posso estar bem longe de você e ao mesmo tempo bem perto. Você me compreende? É como se, por um lado, não fosse mais necessário telefonar para sua família que mora longe, em outro Estado, por que você sabe o que se passa na vida dela. Você segue todos pelo twitter, ou é amigo no orkut ou facebook. Você conhece tanta gente nova, e se distancia, porém, das pessoas que realmente valem a pena estar perto, que realmente se importam.

Com a internet ao alcance de tantos é possível ser o que quiser, basta se esconder (ou não) atrás de um perfil fake. É possível falar o que quiser, publicar o que quiser e até entender o que quiser. É incrível sentir essa sensação de PODER! Mas ao mesmo tempo é tão medonho.

Mas vamos parar pra pensar uma coisa: não é extremamente irônico alguém perguntar por que você visitou o perfil, ou por que por que você comentou naquela foto se não faz parte do grupo de amigos? Caramba, se alguém cria um perfil em qualquer site de relacionamento que seja, já está, implicitamente, dizendo que aquilo que está exposto está sendo, como acabei de dizer, EXPOSTO ou oferecido a todos e a qualquer um. E é direito de todos expressar suas opiniões.

Da mesma maneira que o respeito deveria ter vindo do berço...

Enfim, precisamos de maturidade para lidar com isso. Se esta não existe, temos que encontrar uma válvula de escape, um filtro, uma lixeira ou privada para depositarmos as críticas e suportar a inveja alheia. Pode ser qualquer coisa, desde um travesseiro fofo, comer exageradamente ou deitar no ombro do seu amor. O que importa é saber domar a emoção.

O que reconforta blogueiras ou pessoas virtualmente expostas é que existe alguém que lê e admira os textos publicados. Alguém que acompanha e apoia, que more perto ou que more longe e que as vezes nem deixa um comentário, mas você sabe que está la torcendo, vibrando e orando para que tudo acabe bem sempre. Temos que colocar isso na base, para sustentar todo o peso dos momentos difíceis. E é isso que importa.

Esse texto faz parte da blogagem coletiva promovida no Depois dos Quinze

8 comentários:

  1. Ótimo texto. Gostei muito.
    A boa parte da internet é que podemos ir onde quisermos, mas temos que tomar cuidado com a exposição em excesso.
    Beijos, Aline
    http://24diasdeprimavera.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada.
      Temos que tomar cuidado e equilibrar o que falamos/mostramos.
      Beijos.

      Excluir
  2. Adorei seu texto, realmente algumas pessoas não tem respeito!
    Beijos e parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!
      Obrigada pela visita e obrigada pelo comentário! *-*
      Beijos.

      Excluir
  3. adorei seu texto Tátila. *---*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada minha linda autora! *-*

      Excluir
  4. Muito bonito o texto, valeu a pena ter escolhido ele pra ler. Está de parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Natália, você também participou do blogagem coletiva? Vou procurar seu texto. Beijos.

      Excluir