Daily planner pra você baixar + meu planner do momento

Organização é um dos meus assuntos favoritos e sem dúvida me ajuda a ser mais produtiva, principalmente depois que me casei. Há anos já trabalho com agenda por que confiar na minha memória é bem arriscado, rs. Mas, eu sempre quis ter um planner, que é uma agenda "diferentona" que está na moda atualmente. Nunca consegui comprar até dia desses numa viagem que fiz a Uberlândia. Acabei escolhendo esse da marca Ótima com estampa de mármore que também está bastante na moda, hoje em dia. Ele é tão lindo, olha só: 

bolsa para papeis

bloco para anotações





Antes de comprar esse da Ótima Gráfica eu estava pensando em criar o meu próprio planner. Os que eu já havia pesquisado não atendiam todas as minhas necessidades (trabalho fora, fotografia, blog e canal, tarefas de casa, estudos, vida social e por aí vai...). Esse, pra minha sorte, é personalizável, por isso o escolhi. Posso criar os assuntos que preciso nas abas estilo fichário. As folhas são em forma de refil, assim quando acabar as folhas vazias eu posso pedir mais pela internet.


Apesar de não ter criado o meu sozinha, resolvi fazer um daily planner pra disponibilizar pra vocês baixarem. Foi o primeiro que criei e já quero fazer outros com temas diferentes, como trabalho, estudos, viagem, etc. 

Pra baixar este daily planner gratuitamente basta clicar AQUI para ter a versão em JPEG, e AQUI pra ter a versão em PDF. Depois é só mandar imprimir quantas cópias quiser e encadernar numa papelaria. Espero que gostem! 

Prepare seu chá como os ingleses + meu chá preferido

Chá de canela é o meu preferido, qual é o seu?

Quando eu tinha mais ou menos 5 anos de idade, minha mãe e eu íamos sempre na casa de uma vizinha que morava em frente à nossa casa. Ela era uma senhorinha, andava sempre com uma bengala e eu acabei chamando-a carinhosamente de vó. Essa é uma lembrança muito viva em mim, eu adorava visita-la. Ela não tinha filhos e já havia perdido também seu marido, então realmente tinha minha irmã e eu como netinhas. 

Ela era tão generosa com a gente e sempre que chegávamos ela preparava um chá de canela. Eu me lembro que ela colocava a canela enrolada num pano, quebrava o pau da canela com um martelinho que ficava na prateleira envernizada exclusivamente para o preparo do chá. Depois ela fervia na água, adoçava com açúcar. Acho que o motivo por eu gostar tanto do chá de canela é por que eu a assistia preparar o chá enquanto compartilhava seu dia com a gente, comentava da novela mexicana que assistia sempre, falava sobre o tempo e sobre os preços das coisas no mercado. Por fim, ela esfriava o chá usando dois copos. Passava o chá de um para o outro bem devagar pra esfriar bem antes de servir. 

Eu me lembro do cheiro dela, da cozinha e do chá. Lembro da textura da madeira da cozinha e lembro do banco na varanda que tinha a altura muito confortável pra mim aos 5 anos. Sinto falta dela. Espero que ela esteja bem, independente de onde estiver no universo. 

Gratidão por ter tido essa experiência e poder retornar a ela quando sinto cheirinho de chá de canela. 

Como preparar o chá como um inglês

Na Inglaterra eu soube que o chá é servido com leite. Eu já provei eu gostei. Mas, confesso que não tenho costume de preparar assim. Eu costumo tomar chá de sachê no trabalho, mas eu sempre achava que o chá ficava meio fraco. Então, pesquisei sobre a forma como os ingleses preparavam os seus chás de sachê e aprendi essa técnica super simples que mostrei no vídeo abaixo. Nunca mais meu chá ficou fraquinho. Vem ver:


Espero que tenham gostado da dica. Não esqueça de se inscrever no Canal e ativar o sininho pra ser notificado quando tiver vídeo novo. Pra fazer isso, basta clicar AQUI

Fiz as pazes com o meu corpo + como economizar em compras online

Há algumas semanas recebi um convite de uma loja para fazer algumas fotos de divulgação das novas peças que chegaram no estoque. Era uma loja física aqui da minha cidade e apesar de amar comprar online, esta era uma loja que eu estava gostando bastante de comprar presencialmente. Porém, minha resposta, à princípio foi "NÃO!", obviamente. 

Imagina, não sou modelo! Acho que não vai funcionar... Mas, agradeço o convite!

Modelar nunca foi uma vontade, e até hoje não é. Mas, além de não ser uma vontade, também havia certo medo do que as pessoas iriam pensar, quais seriam os julgamentos eu iria receber. E era desse jeito pois eu não me sentia capaz, nem adequada para representar uma marca. Eu pensava que haviam tantas meninas mais bonitas que eu, mais magras preparadas... 

Moda Plus Size

Além da minha insegurança e auto-estima um pouco comprometida, também não fiquei muito à vontade de registrar pra toda a cidade este momento da minha vida que passei a usar tamanhos plus size. Não que eu tenha algo contra, claro que não! Mas eu ainda não aceitava meu corpo do jeito que ele estava. Acreditava que eu não tinha um "corpo perfeito", "corpo de modelo", etc.

Mas adivinhem: Não. Teve. Julgamento. 
Pelo contrário. Depois do trabalho pronto houve bastante elogio nas postagens e bastante engajamento do público. Claro que fiquei surpresa e feliz por isso.

Superação

Levou um tempo para eu conseguir me aceitar, me amar, ter autocompaixão, a ponto de não me importar com a opinião das pessoas e decidir dizer SIM para aquele convite. Não foi simples. Foi um exercício e tanto. Não foi nada fácil. Mas posso dizer hoje que VALEU A PENA

No dia da sessão eu me preparei, me maquiei, arrumei o cabelo e fui. Repassei mentalmente todas as dicas que havia lido durante a vida sobre posar, sobre técnicas que faziam a diferença para uma boa fotografia. Enfim... Foram inúmeras trocas, inúmeros cliques e no final deu tudo deu certo. 

economia comprando online


Fazer as pazes com o meu corpo

Posso afirmar hoje que o meu corpo é único e é perfeito pra mim. Consigo viver bem com ele, me sinto bonita com ele e mudar a minha forma de pensar foi libertador (Cabe um post no blog apenas sobre isso). Sinto que está tudo bem... Mas, apesar de eu me sentir bem com o meu corpo, sei que preciso reduzir o meu peso atual. Quero ter filhos futuramente e seria importante eu emagrecer até mesmo para ter uma gestação saudável.

---

Como perdi boa parte das roupas que eu usava antes, encontrei uma maneira de investir em peças baratas (que serão usadas provisoriamente, afinal, estou fazendo acompanhamento nutricional para conseguir perder peso de forma saudável e natural, sem dietas restritivas) para compor meu guarda-roupas nesta fase da minha vida. Decidi comprar online pois assim eu economizaria nessa categoria para conseguir investir um pouco mais quando estivesse vendo resultados.

Encontrei o site Cupom Válido: um site que reúne promoções e cupons de desconto com o objetivo das pessoas economizarem em suas compras online. Achei super seguro, pois o site só busca os descontos e os cupons, ou seja, a compra em si é sempre feita diretamente no site da loja. Além disso, todos os cupons são GRATUITOS e não precisa nem de cadastro para utilizar. Não é demais?

Para acessar o site Cupom Válido e começar a economizar nas suas compras online é só clicar AQUI.

Eles trabalham com grandes marcas e até foram indicados na revista EXAME como um dos melhores sites de cupons gratuitos.

descontos e cupons gratuitos


Agora, me conta: O que você costuma comprar pela internet? Já conhecia o Cupom Válido?






Nimona + Todos contra todos (Leituras de Julho)

Bom, pelo visto minhas leituras estão rendendo mais do que eu esperava. Fico tão contente de voltar a ler como eu costumava na adolescência. É algo que eu amo e que há tempos estava meio deixado de lado. Com toda certeza o KOBO tem contribuído bastante para isso acontecer. 

Bom, resolvi falar neste mesmo post sobre dois livros que li bem rapidinho no mês de Julho. São obras bem diferentes, mas como são leituras curtinhas achei que poderia colocar aqui mesmo assim. 

Graphic novel




Nimona

Essa é uma graphic novel escrita pela autora Noelle Stevenson. Foi um livro sugerido pelo clube do livro Infinistante, do qual participo desde Maio. O livro conta a história de Nimona, uma metamorfa, cujo objetivo principal de vida é ser comparsa do vilão Ballister Coração-Negro. No entanto, quando ela consegue que essa parceria ocorra ela acaba descobrindo um coração não tão negro assim. 

Foi bacana ter lido na fase adulta esse quadrinho, lembro que os últimos que li foram gibis da turma da mônica. Com a consciência que tenho hoje consigo ver como a história é cheia de sentimentos, crescimento dos personagens e até de humanidade. Nimona as vezes consegue revelar um pouco da sua personalidade, mas em alguns momentos ela faz questão de ocultar. Fica a impressão de que ela faz isso até mesmo pra si. Não consegue superar algumas situações que já passou e isso contribui para o que ela se tornou atualmente. 

Algo que também me chamou a atenção foi a relação de Coração-Negro com o seu ex amigo Sir Ambrosius Ouropelvis. Eles tiveram uma briga bem feia no passado, mas nunca se reentenderam pois eram muito orgulhosos para pedir perdão, abrir um diálogo sem estarem armados. 

A história conta também com a Instituição que controla a região e que manipula as pessoas sem que essas percebam de imediato. Consegui até fazer uma ponte para a realidade política que vivemos hoje em dia. 

Enfim, posso dizer que foi uma leitura bem agradável. As ilustrações estavam lindas. Seria interessante essa obra estar presente nas escolas do país. Assim as crianças e jovens conseguiriam discutir de uma forma mais lúdica sobre a importância de falar sobre sentimentos.

♥♥♥

O ódio nosso de cada dia

Todos contra todos: O ódio nosso de cada dia. 

Essa é uma obra do historiador Leandro Karnal, que eu tanto admiro. Sempre estou ouvindo o que ele tem a dizer através de suas palestras no YouTube. Essa obra, especificamente, fala sobre o ódio, sobre como as pessoas se engajam mais, se unem mais por uma causa que envolva ódio e revolta. Além disso, mostra como nós brasileiros nos desvalorizamos, vendo a grama do vizinho sempre mais verde. Coisa que com o "vizinho" é diferente, que sempre vê sua própria grama mais verde que a nossa. 

Essa metáfora quer dizer que não sabemos reconhecer o que temos de bom, não damos valor a qualidades que são difíceis de se deparar nos países mais desenvolvidos, como a proatividade e boa vontade de ajudar, ou a maneira espontânea que fazemos amizade.

Foi o primeiro livro que li junto com alguém. Minha prima Ianê (clica AQUI pra acessar o blog dela e AQUI ver a resenha que ela fez sobre esse livro) me convidou para lermos juntas e eu amei a experiência. Inclusive já fizemos isso de novo em Agosto, mas é assunto para outro post. 

Esse foi um livro bastante criticado por internautas. Eu admito que ele tem uma linguagem mais popular, mais simples. E pra quem conhece Karnal já espera algo denso e profundo. Realmente não foi o caso de Todos contra todos. Porém, o livro me passou uma mensagem importante, pertinente à época atual e ao meu ver foi um livro excelente. Recomendo!

Por ora é isso. Essas foram as minhas leituras de Julho. Me diz aqui nos comentários se você já leu alguma das obras. Qual seu tipo de leitura favorito?


Tudo que é belo

Esse blog está se tornando um blog literário ou é impressão minha? 

Confesso que está faltando tempo para criar outros tipos de conteúdo por aqui e, por isso, tenho preferido priorizar as minhas leituras, transformando-as em conteúdo para eu não me esquecer futuramente. 

A "resenha" de hoje é sobre o livro Tudo que é belo. Eu nunca tinha sequer ouvido falar dele. Pra dizer a verdade, nem seria uma opção de compra se passasse por ele numa livraria. Mas, o universo dá um jeito das coisas chegarem até nós. O livro foi a indicação de Junho do clube de leitura Infinistante, que eu participo há uns 3 meses.


Tudo que é belo 

reuniu 45 histórias contadas por pessoas de diversas partes do mundo. The Moth é a instituição responsável por realizar esse tipo de trabalho, por proporcionar que pessoas contem histórias reais. Histórias de superação, motivação, aprendizado, contadas do ponto de vista de pessoas comuns. 

Como o livro é formado por capítulos pequenos, a leitura fluía rapidinho, era um livro gostoso de ler. E cada um dos capítulos era uma viagem diferente. Pessoas de diversas partes do mundo, diversas etnias, classes sociais, eu realmente gostei bastante.

Minha história preferida, certamente, foi a de Plutão, foi a história que deu o nome ao livro, inclusive. Lembro que até parei a leitura para conhecer mais a história desse planeta anão que antes era planeta e agora não é mais, mas é tão especial por ter água nele, segundo teorias. 

Enfim, com certeza valeu a pena e indico pra vocês!