Sou Malala + Meu nome é Amanda

Percebi que não tem post aqui ainda sobre 2 livros que me fizeram ter empatia por pessoas que não fazem parte do meu círculo de convivência. Os livros são: Sou Malala e Meu Nome É Amanda

Sou Malala

Faz tempo que o li. Portanto, não lembro de muitos detalhes da história em sim. Mas, por sorte tem várias resenhas na internet caso você queira conhecer mais a fundo. Mas, o que eu gostaria de registrar é como eu me senti tocada com o livro Sou Malala. Eu conheci mais sobre a cultura do Paquistão e consegui compreender um pouco mais sobre a religião muçulmana. 

Eu lembro bem que chorei algumas vezes enquanto lia. Era bem difícil imaginar que as coisas que estavam lá de fato aconteceram. Não se tratava de ficção e sim da vida real de uma paquistanesa muçulmana que lutava por seus direitos a educação e igualdade. Sinto gratidão por pessoas fortes como ela que não aceitam injustiçam simplesmente por que a sociedade acreditam que seja o ideal. 

Você já leu? Se ainda não, eu recomendo!

Meu nome é Amanda

Amanda é uma mulher trans que compartilha sua experiência de vida no YouTube. Depois que comecei a assistir seus vídeos eu comecei a entender as dificuldades que essa minoria passa e que eu jamais saberia se ela não tivesse a "gentileza" de compartilhar conosco. 

Quando comecei a assistir a Mandy Candy (Amanda) eu nem sabia a diferença entre um menino gay e uma mulher trans. Eu já não tinha preconceito com LGBT+ mas, depois do livro Meu nome é Amanda eu consegui me colocar, realmente, no lugar dessas pessoas e entender os obstáculos que existem, simplesmente, por buscarem ser quem são. Isso não deveria ser uma questão, todo mundo tem o direito de viver sua vida sem se esconder de uma sociedade cheia de preconceitos

Falei sobre o livro neste vídeo: 

Quebrei o pé + aprendizados

Não, você não leu o título errado: Quebrei mesmo o meu pé! E isso aconteceu com quase 30 anos de idade, sem nunca ter quebrado nada na minha vida. Assista o vídeo pra saber mais:


Toxoplasmose e dor de cabeça

Se você caiu nesse post de para-quedas: Prazer, sou Tati Florentino e compartilho minha vida tendo toxoplasmose congênita lá no meu canal do youtube (clica AQUI pra ver). Apesar de não fazer tanto conteúdo sobre isso através dos posts do blog, sou bastante ativa lá no canal quando o assunto é toxoplasmose.

Você sente muita dor de cabeça?

Uma pergunta que sempre me fazem por lá é: Você sente muita dor de cabeça? E a resposta é SIM  e NÃO. Sim, pois eu sinto dor de cabeça, mas não é devido a toxoplasmose, mas sim devido a ansiedade, fico pressionando o maxilar exageradamente durante o dia e também a noite. Bom, explico melhor no vídeo abaixo:


Vlog: Visitando meus pais

Há algumas semanas fui visitar meus pais na fazenda onde moram há alguns anos e construíram o que há lá sozinhos (quase literalmente). Não os visito com tanta frequência quanto gostaria, mas tendo aumentar essa frequência à medida do possível. Lá está ficando lindo...

♥ Resolvi vlogar numa das visitas que fiz a eles

Leia também:

  1. O que aprendi depois que sai da casa dos meus pais
  2. Sobre sair da casa dos pais


Como parei de ter vergonha dos meus olhos - toxoplasmose

Durante muito tempo eu tive vergonha de olhar nos olhos das pessoas. Nas fotografias eu também não gostava quando diziam: Tira os óculos, Tati! Sabe por que? Por que eu achava que os óculos escondiam um pouco meu estrabismo que foi sequela da toxoplasmose. Também tentava sorrir "com os olhos" por que eles quase sumiam e não dava pra ver na imagem.


Levou muito tempo pra isso mudar. Foi uma mudança gradativa e desafiadora. Mas, hoje em dia eu faço vídeos na internet e mostro os meus olhos para o mundo. No vídeo abaixo eu falei como perdi a vergonha dos meus olhos. Foi uma superação gigantesca que me orgulho bastante de ter conquistado.


Aperta o PLAY!